Água limpa é um direito humano, mas para quem?

Por Renata Koch Alvarenga, Diretora do EmpoderaClima

NOTA: Cada mês do ano, até a COP25 em dezembro, o EmpoderaClima vai lançar um artigo original sobre um tema relacionado às mulheres e à igualdade de gênero. Para informações gerais sobre a relação entre a mudança do clima e empoderamento feminino, veja o nosso primeiro artigo, publicado no Dia da Terra. Nos acompanhe para oportunidades futuras para escrever artigos originais para a plataforma EmpoderaClima!

Água é um recurso natural crucial do Planeta Terra, e também é um direito humano - de acordo com a Resolução 64/292 de 2010 da Assembleia Geral das Nações Unidas, que reconhece a importância da água potável e saneamento para o cumprimento dos direitos humanos. Naturalmente, todos seres humanos devem ter acesso igual e universal à água, entretanto, a realidade é um pouco diferente disso.

Quando se trata da relação das mulheres com a água, especialmente considerando as mudanças climáticas, o seu papel e sua vulnerabilidade são muito diferentes em comparação aos homens. Em uma situação de crise de água, principalmente em países em desenvolvimento e áreas rurais, as mulheres são responsáveis por assegurar esse recurso precioso para suas famílias, o que resulta em muitos desafios, como ter que caminhar distâncias extremamente longas na busca por água limpa, lidar com inseguranças por assédio sexual, assim como com os efeitos perigosos dos desastres ambientais.

De acordo com o water.org, mulheres ao redor do globo passam um total de 200 milhões de horas por dia procurando e coletando água. Em regiões do Sul Global, incluindo na África e na Ásia, mulheres têm que caminhar aproximadamente 6 quilômetros para coletar água para suas famílias. Como muitas mulheres no mundo em desenvolvimento ocupam grande parte do seu tempo procurando por água limpa durante o dia, elas não podem ir à escola ou ao trabalho, limitando suas escolhas no que diz respeito a atingir o seu potencial e desenvolver habilidades para o seu benefício pessoal e profissional.  Ainda, mulheres são especialmente vulneráveis ao abuso sexual e ataques quando estão caminhando à procura de água, o que mostra como a falta de água também afeta a segurança pessoal das mulheres.

Ser responsável por coletar água implica nas oportunidades econômicas de mulheres em regiões mais pobres, assim como na sua educação e saúde. Portanto, quando se discute água como um direito humano, é indispensável que esse problema seja visto como uma questão de direitos das mulheres também. Como já constatado, as mulheres carregam muitos galões de água por muitas milhas ao longo de horas, apenas para assegurar que suas famílias tenham água - que às vezes não é nem limpa, e pode ter o potencial de matar. Lidar com o abastecimento da água da família é um trabalho da mulher em diversos países de baixa renda, mas as soluções são geralmente tomadas por homens em posições de poder.

Considerando todos esses desafios presentes em relação às mulheres e a água, muitos governos, organizações e fundos internacionais, assim como empresas privadas, têm tomado o primeiro passo ao implementar políticas sensíveis à questão de gênero nos seus trabalhos quando se trata do gerenciamento da água. Ao colocar as mulheres que lidam com essa dificuldade de coletar água todos os dias - e especialmente em épocas de crises climáticas - em posições de liderança dentro de processos de tomada de decisão, instituições podem assegurar que as melhores políticas sejam implementadas, pois essas organizações terão a contribuição daquelas pessoas que mais sofrem pela falta de água em regiões de pobreza.

Para que mulheres se empoderem, elas precisam primeiro ter acesso a recursos básicos, incluindo água limpa e banheiros em suas casas. Falar sobre as dificuldades únicas que as mulheres encontram no caminho para coletar água é um passo importante para conquistar a igualdade de gênero, e também a justiça climática. Então da próxima vez que você estiver escrevendo um artigo de pesquisa, participando de uma conferência ou falando com amigos e amigas sobre questões ambientais, por que não mencionar essa questão? Conscientização - um dos pilares principais do trabalho do EmpoderaClima - é o primeiro passo na jornada para resolver desafios globais.

Espalhe a notícia sobre a importância da água para as mulheres. Para os homens. Para as crianças. Todo mundo tem o direito à água limpa e ao saneamento, e para isso acontecer de verdade, mais pessoas devem falar sobre os efeitos desproporcionais que as mudanças climáticas possuem na vida das mulheres - incluindo no acesso à água potável.
Água limpa e saneamento é o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6, mas a desigualdade de gênero no acesso à água potável também diz respeito aos ODS 1, 3, 4 e 5. Quer ser parte do movimento para atingir os objetivos da Agenda 2030 das Nações Unidas? Comece compartilhando esse artigo!